Ceni repassa culpa aos jogadores do Flamengo.’Erros grotescos’

A empolgação com Ceni passou no Flamengo. Derrota contra o Flu foi decepcionante demais

A empolgação com Ceni passou no Flamengo. Derrota contra o Flu foi decepcionante demais
Alexandre Vidal/Flamengo

São Paulo, Brasil

“A gente tem que sair com vergonha hoje.

“Porque a gente está perdendo os jogos.

“Tem hora que…

“Assim, a gente não merece ser campeão.”

As palavras do uruguaio Arrascaeta ganharam enorme proporção.

Ele desabafou assim que o milionário elenco do Flamengo perdeu ontem para o limitado Fluminense por 2 a 1, de virada, no Maracanã.

Se o time vencesse, estaria a quatro pontos do líder do Brasileiro, São Paulo, que acabara de ser goleado pelo Bragantino por 4 a 2.

O Flamengo de Rogério Ceni ficou 72% com a posse de bola.

Inútil, improdutivo, sem criatividade, ousadia.

E o treinador foi muito cobrado pela derrota.

Nervoso, diante da pressão da imprensa, ele já percebeu.

Perdeu a confiança dos jornalistas que cobrem o Flamengo.

Ele teve o que pedia.

Dez dias para treinar.

E o futebol da equipe seguiu muito ruim, inseguro.

Sem espírito de decisão.

Em mais uma partida que a vitória era obrigatória.

Sua entrevista foi desastrosa.

Ele vem repetindo a mesma postura quando passou por dificuldades no São Paulo.

E no Cruzeiro.

Primeiro, negou a realidade.

Depois se mostrou abatido, entregue.

E repassou a culpa aos jogadores.

Erro que costuma ser fatal.

“Tivemos as oportunidades, dominamos o jogo, mas a gente nao conseguiu matar o jogo. Pagamos o preço alto e pesado por nao ter conseguido definir o jogo antes que o Fluminense fizesse o primeiro gol.”

Não foi assim.

A falta de ritmo forte, intensidade, o espaçamento entre os jogadores, a falta de convicção de Everton Ribeiro, Bruno Henrique e Arrascaeta prejudicaram Gabigol. Isla e Felipi Luís tiveram atuação fraca no ataque, aquém que o Flamengo precisava.

Fluminense com mais objetividade, eficiência. Luccas Claro comemora seu gol

Fluminense com mais objetividade, eficiência. Luccas Claro comemora seu gol
Reprodução/Site Fluminense

O meia uruguaio tinha toda a razão ao resumir que o atual time não merece ser campeão.

“Acho que ele (Arrascaeta) não se refere como o time jogou e sim como o time sofreu os gols. Aí tenho que concordar com ele. Sobre a maneira que sofremos a virada. Agora o que o time produziu, no primeiro tempo, teve chances de liquidar o jogo, teve ótimas chances de gol.

“O Fluminense veio para jogar a bola na área de qualquer lugar que fosse. Pedi no intervalo para evitarmos as faltas. Infelizmente, tomamos o gol.

“Nessa parte tenho que concordar com o Arrascaeta.

“Sofrendo gols dessa maneira, fica difícil.”

Mas a mensagem pessimista ficaria pior.

“O que nós criamos é suficiente para marcar gols e vencer o jogo.

Agora, os erros que cometemos são grotescos para uma equipe que quer ser campeã.”

É claro que é ele mesmo que precisa corrigir os erros grotescos.

E não tem conseguido.

Rogério Ceni, antes de ir para a coletiva, se reuniu com o vice Marcos Braz. E com o diretor de futebol Bruno Spindel.

A direção do Flamengo reconhece o empenho de Ceni, o trabalho intenso.

Mas quer, precisa de resultados.

A derrota no clássico de ontem foi mais pesada, por conta da goleada sofrida pelo São Paulo para o Bragantino.

O Flamengo, se vencesse, ficaria a quatro pontos do líder do Brasileiro.

O clima para Rogério Ceni não está bom.

Fluminense se aproveitou de erro infantil de Filipe Luís. E virou o clássico

Fluminense se aproveitou de erro infantil de Filipe Luís. E virou o clássico
Mailson Santana/Fluminense

Caso o time não reaja até o fim do Brasileiro, sua passagem pela Gávea pode ser curta.

O sonho é óbvio, a volta de Jorge Jesus.

Mas Renato Gaúcho sempre foi cobiçado.

Ceni precisa reagir.

Além da derrota, seu discurso derrotista é um retrocesso.

Tudo o que a torcida do Flamengo quer ouvir…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *