Bastidores do Palmeiras: discrição, foco e estudo marcam semana decisiva da Libertadores

Lance

Lance
Lance

A semana que precede a participação do Palmeiras na grande final da Copa Libertadores, prevista para este sábado (30), às 17 horas (de Brasília), no Maracanã, tem sido, de acordo com quem vive o dia a dia do clube, de muito estudo e concentração.

>> Confira a classificação atualizada do Brasileirão e faça sua simulação
>> São Paulo em 8º, Flamengo em 10º… Confira a classificação do returno

Apesar de ter poupado parte dos titulares no duelo diante do Ceará e com altas chances de repetir a dose, nesta terça-feira (26), contra o Vasco, Abel Ferreira insiste que seus jogadores trabalhem a recuperação física e a preparação mental para o decisão da Liberta.

Frente à reta final de uma temporada intensa, Abel e sua comissão técnica insistem para que os atletas façam consultas com Gisele Silva, psicóloga que tem acompanhado os atletas com maior frequência desde a derrota para o River Plate.

Preocupado com a alta expectativa gerada em torno do grupo, o treinador quer equilibrar os ambientes físico e anímico para um desempenho mais eficaz em todas as áreas.

Como de hábito, profissionais da comissão técnica têm estudado o Santos, adversário da final. No entanto, com o intuito de evitar que os atletas se desconectem do Brasileirão e aumentem o nível de ansiedade para a decisão do torneio continental, as instruções para os outros confrontos seguem com a mesma intensidade de outrora.

A ideia é conduzir o tempo de forma consciente e consistente para que tudo aconteça conforme o planejado.

A direção do clube trabalha ostensivamente no dia a dia para evitar qualquer tipo de incômodo. Com todos os compromissos em dia e uma espécie de bolha, os executivos não querem que nada atrapalhe a semana de Abel Ferreira e seus comandados. Estratégia essa que agrada a comissão, uma vez que visa isolar o elenco em prol da conquista da Libertadores.

Por fim, em virtude da Covid-19, atletas como Felipe Melo e Zé Rafael, que não foram contaminados pela doença, treinam usando máscaras de proteção. Fora das atividades, o protocolo é exigido – e cumprido – com bastante rigor. Apesar de ter superado um surto que atingiu quase todo o grupo, o Palmeiras se cuida para evitar novos casos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *